Aláfia

 

Omolucum é o seguinte:

 

Feijão fradinho cozido, passado no azeite de dendê com salsa picada, cebola e camarão seco também picado ou ralado. Servir em tigela branca, acrescentando ovos cozidos por cima.

 

É comida de Oxum, a orixá das águas doces, do amor, intimidade. Tradição africana, nação Ioruba.

 

Omolucum foi o prato principal do almoço musical que deu corpo a esse vídeo. Dendê, quiabo, inhame, arroz. Batuque, violão, gaita, teclado. Cachaça e voz. Mercadão e Sacolão da Lapa, generosos, acolhem sabores de Brasil e África. O bairro da Lapa, generoso, acolhe a banda.

 

Aláfia se aproxima do que pode ser entendido como identidade-preta-contemporânea-além. Ou algo assim, porque essa energia sutil não existe para ser racionalizada e entendida. Está mais para tempero e ritmo, aparente nas guias coloridas ao redor dos pescoços e na cadência das rimas, no pulso das palavras escolhidas.

 

Ou no canto. O dia inteiro. Andando na rua. Batucando na mesa. Descascando inhame. Afinando instrumento. Refogando almoço e janta.

 

Encantando.

 

Isso tudo sem falar do vozeirão da Xênia.

 

Tags, , , , , , , , ,