Jazz na Kombi

 

Se o Jazz for confinado e tímido, desconfie. O Jazz nasceu do calor das ruas, do vento balançando o salgueiros, das mãos negras erguendo o trompete, dos pés batendo no chão. O Jazz é um espírito livre, um orixá de saxofone, e quando não encontra paredes, é natural que se espalhe e atraia pessoas que queiram balançar como se não houvesse amanhã.

 

E não é mentira dizer que São Paulo precisa de muito mais balanço. Então, os poetas e amantes da rua, Giovani Bafô e Ana Carulina Laet, tiveram uma ideia genial. Colocar essa jam toda numa kombi maneira e fazer com que o jazz e outras manifestações culturais pudessem alcançar o maior número de pessoas possível, num lugar sem paredes e com muitas paradas.

 

Nasceu então projeto Jazz na Kombi, uma combinação poderosa de uma kombi estilizada e cativante e bandas que entram nela para espalhar seu pólen do Jazz. E assim eles vão ocupando a cidade, retomando espaços que são para as pessoas curtirem, e agitando musicalmente uma efervescência urbana, do Jardim Boa Vista até a Praça Roosevelt. O microfone é aberto, declama versos o poeta, grita alguém da plateia o recado, a kombi fala.

 

Pegamos carona com essa galera quando eles estavam rumo a uma apresentação na Praça Roosevelt no meio da Virada Cultural. E eles fizeram bonito. Atraíram uma multidão que requebrou os quadris e fez as ruas bailarem. Como Giovani fala no vídeo, o sistema é frágil. Arma, estilingue e uma kombi musical e ele ruí. E é lindo.

 

Para conhecer um pouco mais sobre eles e saber quais são os próximos passos dessa migração musical, acesse o facebook deles.

Tags, , , , , , , , , , , , ,