Fome de palavra

As vezes tenho o dom
De tirar o viver da vida
Como ferida que não dói
Tristeza que não corrói
Barulho que não tem som.

É quando eu falo da coisa
E o espírito da coisa vai embora
Como se ao invés de lar
Fosse apenas casa
Como se fosse brasa
Mas sem calor
É como tirar o momento
De dentro do agora
Como falar de amor
Por mais de uma hora.

Como explicar a cor
De um pôr-do-sol
Falar o sabor
Da maçã, da hortelã ou do sal
Explicar a manhã
Descrever seu arrebol
Dizer de um peito que se aperta
Ou de um olho que chora
Saber a palavra certa
Sem saber a sua hora
É como faço
Agora
Enquanto a palavra me usa
Falando sobre
Falar sobre
O espírito da coisa
Mas sem o espírito da coisa
O que é que sobra?
O espírito das coisas
Não tem nome
É a gente que tem fome
Das palavras
Coisa que a gente devora
E não sacia

Quando a palavra demora
Vence o
Silêncio
Ou a
Poesia

 

Rangel Mohedano conversa com as palavras de tanto olhar pra elas. De vez em quando aterriza um Voema aqui, outro ali.

PATROCÍNIO

logo-absurda

BLOG

Autores convidados partilham seus textos e suas opiniões, num espaço fecundo de liberdade e de leitura. Venha ler, venha escrever!

SOUNDCLOUD

As músicas que embalam nossos vídeos também podem te embalar durante seu passeio pelo nosso site e em qualquer lugar!

jabutibumba_site_thumb

FACEBOOK

Já curtiu a nossa página no facebook? Quer saber que amigo seu já curtiu? Tudo que nosso site pode aparecer no seu feed de notícias, é só curtir!

YOUTUBE

Assine nosso canal e receba o nosso conteúdo novo!

alafia_yt_thumb3